Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘FerrisRodrigueanas’ Category

O cara, casado há anos, resolve em um dia de verão, com a família na praia, que deve enfiar o pé na jaca, já que sua vida estava um tédio. Anos de bom comportamento lhe proporcionaram uma vida sem emoções. Não bebia mais, não fumava… enfim, praticamente um morto vivo sepultado na rotina diária…

Sai do trabalho, vai para casa, assiste um pouco de televisão e, lá pelas tantas, tomado pela fúria de notar que vidinha de merda levava, coloca uma bela roupa, perfume e se vai para a noite em busca e qualquer coisa… nenhum amigo disponível para ir junto e nem orientá-lo para onde ir, resolve seguir o fluxo e ver onde  tem mais movimento.

Vê um aglomerado de gente em frente a uma casa noturna, e, pelo que apresentava na frente, parecia que o número de mulheres superava o de homens.

Entra e nota um ambiente de pessoas com pouca idade, que já não era mais o seu caso, mas, uma vez lá dentro, lá ficou…

Com um mix de músicas entre o sertanejo universitário, o funk e o pagode, seus ouvidos clamavam por misericórdia, mas, por outro lado, a dança das moças podia ser apreciada em toda a plenitude do que as músicas insinuavam a todo instante…

Ele fixa o olhar em uma loira de pouca idade, que ao som de um funk, parecia não ter ossos no quadril… e, boquiaberto, tentando ser discreto, se escora no bar para olhar…

uma outra moça para ao lado e diz:

– Seu nome?

– Ã?! – Responde ele sem ouvir pela altura do som…

– O NOOOMEEEEE…

E a partir dali o diálogo segue em caixa alta…

– Ah, Ricardo, e o teu?

– O meu???

– ÉÉÉÉÉ, O TEEEEU…

– ANDRÉÉÉÉIAAA…

– LEGAL… MUITO PRAZER!

– O QUE FAZEEER???

– EU DISSE PRAZEEER!

– AH SIM, EU TRABALHO COM ISSO, MAS HOJE TO DE FOLGA!

– Ã?!

– TU NÃO PERGUNTOU SE EU TRABALHAVA COM PRAZER?

– NÃO, EU DISSE MUITO PRAZER!

– É CLARO… MUUUUITO PRAZER!!!!

– AH, DEIXA PRA LÁ…

– SIM, VAMOS PARA LÁ!

– LÁ ONDE?

– LÁ COM UMAS AMIGAS… VAI BEBER ALGUMA COISA?

– SIM, VAMOS PEDIR ALGUMA COISA… O QUE TU BEBES? (diz ele gaguejando)

– UM MARTINI… QUERO COM CEREJA!

– CERVEJA?

– NÃO, MARTIIIIINIIIIII! CEREEEEEJAAAA!

– AH, BELEZA! GARÇON, UM MARTINI COM CEREJA! E PRA MIM, UM REFRI!

– E ENTÃÃÃÃO, O QUE TU VAI PEDIR PRA TI?

– GRAPETTE!

– O QUÊ?! AQUI???? NA FRENTE DE TODO MUNDO??????

– COMO?

– POIS É, TAMBÉM NÃO SEI COMO… TALVEZ ALI NAQUELE BANHEIRO….

Ele nem sabe mais se responde ou não, então, apenas sorri…

Ela o pega pela mão e vão a um banheiro que estava praticamente vazio… chegando lá, a porta fecha e o som abafa, dando para ouvir a voz do outro…

– BÁ, AGORA DÁ PARA OUVIR, NÉ? – diz ele ainda com a voz alta…

– Ah, é dá sim… – responde ela com um timbre de voz estranho…

– Tu está com algum problema de voz? – pergunta ele…

– Não, responde ela… que, à luz do banheiro mostrava toda a produção que envolvia desde maquiagem à intervenções cirúrgicas e preenchimentos faciais…

Ele começa a suar frio e a procurar o gogó na garganta da moça… o porte era pequeno, mas, vai saber… olha para os pés dela, tentando ver se calçava mais de 40, mas, esses malditos Scarpins com bico fino e alongado não deixam se ter noção entre pés pequenos ou grandes…

Ele se pergunta se aquilo poderia ser tratamento hormonal de uma moça para ficar bombada ou de um moço para virar moça…

A respiração começa a ficar ofegante… ela, notando, já o atira para dentro de um reservado, e, ajoelhando e puxando suas calças, ameaça iniciar o serviço… ele, completamente nervoso, não consegue ficar em “alerta” pela dúvida… e agora? Arrisca ou sai de fininho???

Na última hora, a pergunta derradeira dele:

– Que tal colocar chantilly aí?

Ao que ela responde:

– Deus me livre, aí minhas celulites voltam todas!!!! E haja academia!!!

AAAAAH, É MULHER, GRAÇAS À DEUS!!!! – pensa, ao sorrir aliviado

E então ele relaxa e o amigo sobe…

Essa é homem...

Essa é homem…

E esse é mulher... é... tempos difíceis esses...

E esse é mulher… é… tempos difíceis esses…

Anúncios

Read Full Post »

Eu não sou empresa para ter visão, missão e outras frescuras corporativas, mas, digamos que se alguém me perguntasse o intuito do que eu escrevo, tirando a pura e simples arte de falar asneiras com a pretensão de que alguém dê algumas risadas disso. E eu poderia achar que, dentro da minha insanidade, tento dar alguns toques pro pessoal.

Tento, eu disse.

Volta e meia estou eu aqui dando meus pitacos sobre alguma coisa, achando que poderia ajudar alguém a ver o ‘outro lado da coisa’ (não, não é virar alguma gostosa de bunda pra cima para ver o ‘verso’, mas, se preferir… eu também prefiro…).

Mas, o assunto de hoje, que eu ando ponderando faz horas, é sobre os relacionamentos.

Bá, grande Ferris, que novidade!

Não, não é novidade. Mas, o que eu acho que é o quesito é ponderar de forma racional algumas coisas…

Por exemplo:

Sabe aquele início de relacionamento onde o cara começa como ‘arroz de festa’? O tipo aquele que começa como amiguinho, e vai minando a mina (com o perdão da redundância idiota) com conselhos revestidos de ‘eu não faria isso que esse abostado desse teu namorado/marido faz com uma mulher tão incrível quanto você…” e termina com aquela ‘furada de olho’, onde o arroz passa a ser o prato principal, como na cozinha oriental…

Agora, por outro lado, vejam o seguinte. Para os que adotam essa postura, e para os outros todos também, é importante notar algumas coisas. Por exemplo, algumas verdades incontestáveis: As mulheres ficam SIM parecidas com suas mães… então é bom que comecem a ver como é a véia para ter uma noção do que vai acontecer (mas é claro que hoje invetaram a plástica, a lipo e o silicone). Outra, sempre que o ‘arroz’ ouvir atentamente as reclamações da moça sobre o atual cacho, é EXTREMAMENTE IMPORTANTE que ele se coloque no lugar do cara.

Sim, ele TEM QUE FAZER ISSO. Ele deve se colocar no lugar do atual ou do ex da criatura para ver como as coisas procederam até chegar naquele ponto onde tudo está indo para a merda…

Porque?

Simples. Porque o próximo a passar por isso vai ser você. E CERTAMENTE você vai passar por isso.

Porque?

Simples. Porque as pessoas não mudam em suas essências. Elas por alguma motivação, como início de namoro e paixão nova, mudam seus comportamentos e ficam mais permissivas, mais carinhosas e menos atentas aos defeitos alheios. É claro que o tesão recolhido é fator importante para essa ‘cegueira’ momentânea. Mas, com o tempo ela arrefece e o pessoal volta a ver com os velhos olhos míopes ou hipermétropes como as coisas são.

E outra coisa, enquanto elas acharem que os relacionamentos acabam por culpa dos outros, aí sim é que eles vão seguir acabando sempre da mesma forma. O raciocínio é simples, eu, você e qualquer outra pessoa é intolerante a certos tipos de coisa. A minha mãe é intolerante à lactose, mas não vem ao caso. Então, quando você é intolerante, o problema é SEU e não dos outros. Simples assim.

Se você não tiver a humildade de reconhecer que alguns relacionamentos acabaram por idiotice sua, imaturidade ou, simplesmente, porque você não conseguiu fazer as coisas direito, ou cativar essa pessoa por mais tempo, é provável que você seguirá cometendo os mesmos erros. E só conseguirá um relacionamento duradouro com alguma pessoa compatível com você. E aí vem as coisas intangíveis, pois essa pessoa compatível pode ser apenas a sua mãe, e aí, complexo de Édipo é caso clínico e não de casamento feliz.

Digamos que você passe a vida toda tentando achar um ‘príncipe encantado’, naqueles moldes que você sempre sonhou. Sinto muito, mas, a real, é que você tende a morrer sozinha, reclamando que homens são todos iguais, não prestam e blablabla em chás de tias desquitadas no sábado a tarde. Agora, se você tiver a capacidade de se dar conta de que você não é a princesa encantada também, poderá achar alguma felicidade com o auxiliar do príncipe, o escudeiro, conselheiro ou qualquer outro coadjuvante da corte real.

A música mais sincera que já ouvi e que retrata essas coisas é a “Same mistake” do James Blunt. Onde ele diz:

“Não estou pedindo uma segunda chance, 
Eu estou gritando no topo da minha voz
Me dê razão, mas não me dê escolha, 
Porque eu cometerei o mesmo erro outra vez…”

“E talvez um dia nós nos encontremos 
e iremos conversar e não apenas falar 
Não acredite nas promessas 
Porque eu não as cumpro 
e minha reflexão me incomoda 
e aqui vou eu “

Basicamente, todo mundo é exigente em relação aos outros, mas poucos são exigentes em relação a si… é muito mais fácil dizer que o relacionamento acaba porque o outro era isso, aquilo e aquele outro… mas, alguém coloca a mão na consciência para se dar conta das merdas que fez ao longo do declínio? Pois então, é bem provável que o ciclo nunca se encerre…

Finalizando então, queridos cafas-arroz-de-festa, prestem bem atenção nos detalhes da relação da querida enquanto naufraga, porque certamente quando você for o capitão do navio, ele passará pelas mesmas tormentas…

Ao contrário da física (ou da crendice), em relacionamentos, um raio cai SEMPRE no mesmo lugar… e é simples assim…

Cair aqui que é bom, nada…

Os avisos estão aí, vê quem quer…

Read Full Post »

Todo mundo já ouviu essa frase antes na vida. Tanto de alguém que está na merda mas quer aparentar estar bem para não perder a pose, quanto de alguém que realmente está por cima da carne seca.

Mas, será que existe tal coisa?

Se melhorarmos uma coisa, corre-se o risco dela estragar? Duvido muito. Isso está mais para papo maniqueísta e conformista, tal qual nossa criação básica que desde sempre ensina a se contentar com o que se tem.

Não vejo como algumas situações tem como piorar se melhorarem… exemplo:

O cara sai da empresa, demitido em plena sexta feira, desconsolado, só pensa em ir para casa se isolar e digerir o sapo engolido. No caminho, que fazia a pé, para poder refletir melhor, ouve uma buzina ao lado, na rua, e, olhando mais atentamente, vê uma loira lindíssima abanando para ele, de dentro de seu Porsche novinho em folha.

– Oi! – diz ela – será que você poderia me ajudar com uma coisa?

– Sim – responde ele – em que posso ser útil?

– Eu estou indo para uma festa, mas acabo de terminar com meu namorado. Você poderia ir comigo?

O cara olha para os lados, para ver se acha alguma câmera escondida ou algum outro indício de que se tratava de uma ‘pegadinha’ e que em seguida estaria cercado de gente rindo da sua cara. Mas, como não tinha mais nada a perder, resolveu seguir adiante.

– É, acho que poderia. Mas acabo de ser demitido, estou indo para casa a pé, estou suado e sem roupas apropriadas.

– Não tem problema – diz ela – vamos para minha casa, lá você toma banho e, no caminho compramos algo para você.

Ela então abre a porta do carro, deixando aparecer o resto do corpo em um vestido que mostrava toda a perfeição da moça.

Ele se pergunta se não se tratava de uma traveca e se a noite não terminaria em momentos de pavor, afinal, esmola demais, o santo desconfia. Mesmo assim, ele entra no carro, mas, ainda incrédulo, mantem-se calado.

Analisando melhor cada detalhe da moça, ficava cada vez mais estupefato:

– Não tem gogó… não deve ser traveca… os peitos parecem não ter silicone, embora sejam grandes e lindos. Coxas torneadas, tornozelos finos, uma tatoo no pé e um anelzinho no segundo dedo do pé esquerdo. É, parece tudo perfeito.

No caminho param em uma loja Hugo Boss, ele experimenta um terno completo e ela puxa um cartão platinum tão reluzente que ele nem conseguiu ver qual bandeira era. Pela quantidade de zeros digitados, ele se perguntava em quantos anos poderia pagar aquilo ganhando o salário que recebia. Mas, se dera conta de que nem com toda a grana do fundo de garantia o conseguiria.

– Débito, por favor – diz ela.

No trajeto, ele ainda sem entender direito, e sem coragem de perguntar ‘porque eu?’, apenas conseguia sorrir para a linda loira.

– Júlia… 

Ela disse um sobrenome que ele não se atrevia a pedir para repetir, mas, parecia ser de origem do leste Europeu.

– Marcelo… Silva… quer que soletre?

Ela cai na risada e em seguida o carro para em frente a uma mansão enorme. O guardador abre a porta dela, solícito, enquanto ela desce, pegando em sua mão e levando-o para o quarto.

Ela o despe, levando-o pela mão ao banheiro, abre o chuveiro, entrando com ele embaixo d’água, sem sequer tirar a roupa, e ali o banho estende-se além do esperado.

Após transarem no banho, outra vez na cama, e uma última na banheira do quarto, ela resolve dizer que a festa já havia começado e seria bom vestirem-se logo.

Vão à festa, ela o apresenta a todos os convidados, são fotografados a noite toda, aos beijos e abraços, repórteres querendo saber seu nome e muita gente dando-lhe cartões de apresentação.

Na saída, ela diz que ele não irá para casa e que o fim de semana será com ela, no litoral.

Saem da festa direto em direção ao litoral. Ele já dirigindo o Porsche segue as orientações do GPS do carro e para em um condomínio fechado em frente ao mar.

Ele incrédulo ainda, embora já bastante íntimo, tenta ensaiar alguma conversa básica, do tipo, o que ela fazia, trabalho, estudos, etc… mas ela o interrompe dizendo que o fim de semana era apenas para aproveitar, sem conversas invasivas.

Beijos, sexo, bebida, comida, mar, sol e tudo o que a vida de milionário permitia. Ele apenas sorria. A frase “se melhorar estraga” passa pela mente, mas seu pensamento é interrompido com ela dizendo:

– Convidei algumas amigas para virem para cá, você se importa?

– De forma alguma.

– Preciso te dizer uma coisa. Sou bissexual. Adoro sexo com mulheres, você se importa?

– Me importar? Com o que?

– De participar com a gente…

Ele se engasga com o drink e, tentando aparentar calma, apesar da mão tremer a ponto de derramar a bebida, responde com um: “ã-ã”, com um sinal negativo com a cabeça.

As amigas chegam, tão lindas quanto ela, 1 morena estilo oriental e 1 ruiva. Ele ri de nervoso e lembra de que em momentos como este, Deus existia, gostava dele e estava de muitíssimo bom humor.

O fim de semana termina com ele se perguntando se alguma coisa semelhante se repetiria outra vez na vida. Nem tentava pensar no que faria ao final do dia, apenas pensava que não poderia haver dias melhores que estes.

As amigas preparam-se para ir embora, e ele imaginando o mesmo destino, aproxima-se dela, abraça-a, mas antes que fale algo, ela diz:

– Não quero que vá embora, fica aqui comigo. Me sinto tão sozinha e nunca ninguém me entendeu tão bem.

Embora ele não tenha feito uma pergunta sequer sobre ela todo o fim de semana, olhando em seus olhos profundamente azuis, acreditou que ela dizia a verdade.

– É claro que eu fico… 

Mas ela segue falando:

– Sou herdeira multimilionária de um império russo. Meus pais morreram há 1 ano e meio. Tenho dinheiro para nunca mais faltar na vida, mas, o essencial me falta, um homem que me desperte o que você me despertou… casa comigo?

“Casar? Eu seria teu escravo pro resto da vida!!!” – pensava ele, mas da sua boca só saiu um “sim, é claro que eu caso!”.

Ela o abraça com carinho, beija-o várias vezes, testa, olhos, nariz, boca, pescoço… beijos estalados de um menina feliz.

E ele não havia feito rigorosamente nada para merecer tanto. Gerente de banco demitido por não atingir a meta mensal, recém formado, e sem nada a oferecer. O que mais poderia querer na vida?

– Só preciso saber mais algumas coisas de ti – diz ele. Como tu é na tpm?

– Choro, quero colo e gosto de ficar vendo comédias românticas…

– Quanto as amigas…

Ela o interrompe:

– Elas poderão continuar vindo, não é?

– Claro que sim!

– Elas e as outras também, né?

– Claro!

O que mais tu gostaria de saber?

– Acho que nada… se melhorar estraga…

– Estraga? E se eu disser que nesse momento eu estou louca para… 

Ela cochicha alguma coisa em seu ouvido, pega-o pela mão e puxa-o em direção ao quarto….

Ele simplesmente olha para cima e diz: NÃO, NÃO ESTRAGA DE JEITO NENHUM!

Vem amore que eu to facinha!!!!


Read Full Post »

Mais um aniversário na vida…

nesses dias eu fico meio desnorteado… ou, em outras palavras, mais fora da casinha do que o normal…

mas ainda assim é uma data interessante… mais um ciclo completo na nossa vida…

O que muda é o que a gente espera…

antigamente eu queria ganhar Falcons no aniversário…

depois Comandos em Ação…

depois um Atari…

depois um computador…

depois um cachorro…

aos 18 eu queria um carro (bem playboyzinho mesmo…)

hoje em dia eu quero tranquilidade… paz de espírito… dar risada e não ter que ficar me preocupando com grana…

É, as coisas mudam ao longos dos 36 anos…

Falar besteiras, dar risada e fazer os outros rir sempre foi algo que me agradou… nunca ganhei um centavo com isso… mas ainda assim me faz bem… e, nessas horas é sempre bom a gente se aproximar do que gosta e se afastar do que não nos faz bem… e é por aí que eu sigo…

Talvez, nestes períodos, a gente dê uma revisada no momento atual da vida… um tipo de balanço, com prós e contras (porque ativos e passivos me soa totalmente gay), onde a gente vê se tem mais cagadas do que acertos ou vice-versa… em relação a isso eu estou bem tranquilo, afinal, 36 anos sem desafetos é algo que não se vê muito hoje em dia…

Mas, para mim, não ter inimigos não é algo a se exaltar… é a obrigação… boa convivência…

mas, o lance é festejar igual… afinal, dizem, a felicidade está nas pequenas coisas da vida…

Gostaria de agradecer a todos pelos momentos de risos e alegrias que me proporcionaram ao longo desse período no blog, conviver por aqui tem sido muito legal nesse tempo todo…

De resto, segue o baile, bola ao centro e vamos para o próximo…

Parabéns pra mim!!!

Haaaapy Birthdaaay Mr. Ferris… Assopra aqui, bêibi…

Read Full Post »

1 minuto de silêncio pela morte da Maria Schneider…

Foi-se a atriz que foi um estandarte na luta pelo sexo natureba… e, com a ida da moça, por câncer, ficamos aqui lamentando a perda.

Mas, ainda assim, seu legado não foi em vão… fica aqui o agradecimento de uma geração toda que, antes da invenção do KY, tinha que se virar com vaselina (literalmente) mesmo…

Com esse filme, naquela cena específica, que entrou para os anais do cinema (e dela), foi um divisor de águas (e abridor de pernas) para toda uma linha de marketing para o uso de produtos comestíveis em outras frentes (ou traseiras).

Também, dizem, tem um discurso contra a hipocrisia cristã, e, reza a lenda que o Marlon Brando discursa sobre isso enquanto passa manteiga na rosca da moça… Eu mesmo só consigo prestar atenção na cena, o discurso eu ainda não pude prestar atenção… mas pretendo fazê-lo um dia desses…

Mas, ainda assim, ficam algumas lições disso tudo…

1) Nunca, eu disse NUNCA use manteiga com sal para comer um rabo…

2) Margarinas com ômega 3 podem beneficiar seu coração, além de azeitar sua rosca…

3) Não foi comprovado que o uso de manteiga provoque colesterol no olho do cú…

4) Quando comer um rabo, não faça discursos sobre religiosidade… isso não é catequese, it’s only rock and roll, but I like it

5) Sexo anal, para quem é macho hétero é SIM pura hipocrisia… afinal, é só no dos outros que é refresco…

6) O Marlon Brando pede pra tomar um fio terra, portanto, foi-se por água abaixo a admiração da classe macha, ogra e sem mente aberta (e nem nada aberto também), mas o deixou mais socialista e democrático em relação ao uso do brioco como comunhão entre pessoas…

7) Filmes com cenas de sexo emblemáticas não precisam perder seu tempo com discursos longos, polêmicos e controversos. No final, o pessoal só vai lembrar da enrabada mesmo…

Enfim… só não digo que o Marlon Brando vai poder repetir a cena com ela, agora no céu, porque lá se alguém meter no cú de outro, vai para o inferno… embora, para mim, inferno mesmo é passar a eternidade sem poder comer um rabinho…

Deixo aqui a cena em questão…

Chega de Tango, ‘vâmo’ pro róquenrrou!

Read Full Post »

Que os homens são uns escroques, todo mundo já sabe, se bem que a mulherada hoje em dia tá longe de ser muito diferente. Mas, ainda assim, nós, os (antigos) predadores, é que ficamos com a parte folclórica da coisa…

Já sabemos o poder de enrolação delas quando querem conquistar um (pato) pretendente, mas, não ficamos muito atrás quando estamos em busca de algo ou alguém… ou algo em alguém, mais especificamente…

E há muita diferença para o que falamos para o que pensamos, ainda mais dependendo do status em que nos encontramos… por exemplo, se somos uma ‘foda’ prospect ou se já estamos consolidados no cargo, variando é claro, para quando já estamos de saco cheio (ou vazio, nesse caso) e estamos doidos para dar no pé…

Tá, tudo o que foi dito aqui é lugar comum, claro… mas, vai algumas dicas do Mr. M dos Cafas… Eu!

Imaginem a cena:

O cara vai buscar a moça para saírem e a moça aparece com um vestidinho curto, com calcinha minúscula sobressaindo em alto relevo… notem a diferença dos diálogos…

1ª saída:

O dito: – Oi querida, você está linda!

O pensado: – Olha essa calcinha… é barba, cabelo e bigode hoje…

10ª saída:

O dito: – Puxa, curto esse vestido, hein?

O pensado: – Porra, essa mina só tem roupa de piriguete?

5 anos de namoro:

O dito: – Porra, mas não tem nada menos chamativo no armário?

O pensado: – Essa puta tá me dando bola nas costas…

Os homens lendo isso devem estar dando risada, já, as meninas, estão putas me chamando de machista. Afinal, a moça coloca essa roupa ‘chamativa’ só para agradar o rapaz em questão…

Até é, mas a mente masculina tende, com o passar do tempo, achar que a mina que usa lingeries sexys o tempo todo não é lá muito normal. “Preconceito!!! ”, dirão… sim, preconceito é algo inerente ao ser humano… o que no popular se chama presumir.

Quando você vê uma mina com a marca de uma calcinha fio dental, não irá pensar que ela é alguém que usa esse tipo de calcinha para trabalhar porque acha mais confortável… então, é provável que a abordagem seja diferente…

Mas, a mente masculina, insegura e abobada, tende a achar que se aquela calcinha minúscula não é só para ocasiões especiais ou para um momento de ‘agrado’ para ele, a moça em questão pode estar dando bola nas costas…

Mal sabem que hoje em dia a mulherada tem mais medo de ser pega desprevenida com uma calçoila da vovó do que ser pega sem calcinha… então, a tendência é que a maioria delas saia de casa com, no mínimo, uma calcinha ‘plano B’ na bolsa… dessa forma, é bem provável que ela vá estar quase sempre com algo do tipo em uso.

Agora, se você é estúpido o suficiente para, ao perceber a tal calcinha, fazer a leitura de “ela é uma vagaba” ao invés de entender apenas como um “ela quer dar pra mim hoje”, azar o seu. Provavelmente vai acabar na mão… literalmente…

Então amigo, pare de pensar besteira e note que a calcinha é um tipo de ‘status’ que elas usam. Tal qual o ‘online’, ‘offline’ ou ‘ausente’ nos programas de bate-papo, a calçoila quer dizer algo do tipo: “Não me depilei e não vou dar hoje, mas neeeem fodendo (literalmente)”, tal qual o fio dental quer dizer “hoje eu tô pro game…”. Então, basta a você saber ler as entrelinhas para alcançar o entre-lençóis…

Mas, ainda assim, alguns precisam saber se aquele fogo todo é só com eles ou se é com todo mundo… os caras acham que tem que ser ‘o cara’ para ter algo mais duradouro com alguém… então, fica a dica, meninas, a maioria de nós, que já tem problemas suficientes em se relacionar a longo prazo, vai ter mais problemas ainda se vocês não derem a entender que aquele ‘lance’ entre vocês tem algo de único. Simples assim. O raciocínio masculino entende que, se você é assim com todos, ele vira automaticamente ‘mais um’ na sua lista e vai dar um jeito de não se apaixonar ou não criar laços contigo. E não entendam esse ‘algo único’ entre vocês como ter um bebê, a menos que ele seja um jogador renomado ou um empresário cheio da nota e você uma fodida que não tem onde cair morta e não tem a menor vontade de trabalhar honestamente. Aí pode ser.

Resumindo a encrenca: Façam o que fizerem, se quiserem algo mais duradouro com nós, os ogros estúpidos, deixem claro que a criatura é única em alguma coisa pelo menos… senão, contentem-se apenas com a foda esporádica…

E tenho dito.

Esse biquini quer dizer: Dei a última vez em 1936, Help!!!

MALDITO PHOTOSHOP!!!!

Não, meu béém, eu só vou ali na missa e já volto…

Read Full Post »

“Ser ou não ser?”. Essa frasesinha que é vinda de uma tragédia Sheakspereana, na verdade, pode ser sim prenúncio para mais tragédias.

Notem que o original “To be or not to be?”, em inglês, pode ser (deturpado) interpretado de outra forma: O verbo “To be”, como ensinam os professores de inglês, é o verbo “Ser” OU o verbo “Estar”. E é aí que se dá a cagada toda.

Estamos em um mundo relativista, como estamos carecas (no meu caso, literalmente) de saber. Então, a partir daí, abrimos enormes possibilidades para algumas afirmações. Afinal, SER é muito diferente de ESTAR.

Explico, exemplificando.

O homem bate à porta da moça para buscá-la para saírem. Ele toca a campainha, segundos depois ela abre a porta.

– Nossa, você está linda com esse vestido!

– Estou linda? Quer dizer então que eu não sou linda e esse vestido me fez parecer?

O cara fica meio espantado, mas segue sorrindo.

– Claro que não, você é sim uma mulher interessantíssima.

– Interessante é alguém que geralmente tem poucos atributos, mas que dá pro gasto…

– Eu não quis dizer isso. Quis dizer que você simplesmente está linda.

– Se eu estou é porque eu não sou… é isso?

O cara dá com a palma da mão na testa, escorrendo-a pelo rosto e suspira.

– Não, querida, você É linda.

– Não notei segurança nisso, talvez você apenas esteja querendo parecer gentil…

– Eu parecer gentil? Isso quer dizer que eu não sou gentil ao natural, é isso? (rindo com cara de vingança)

– Não, você é gentil sim… mas sabe como os homens são, não é?

– Não, não sei não… como eles são?

– Eles são gentis, afáveis, compreensivos quando querem algo, depois de alcançar, mudam completamente…

– Não, nem todos são assim, em alguns casos eles podem estar assim por algum motivo…

– Como assim?

– Sim, a gente pode não ser aquela coisa, mas pode estar interpretando, com gerúndio e tudo, o papel para alcançar algum objetivo…

– E isso quer dizer o que?

– Quer dizer que se ficarmos com essa conversa, além de perdermos o cinema, temos grandes chances de acabarmos a nossa relação por aqui…

– Não estou entendendo onde queres chegar?

– Eu quero dizer que a gente devia deixar esse papo para lá e seguir a vida sem esse tipo de perguntas.

– E porque?

– Porque a gente nunca quer saber as respostas verdadeiras, apenas as que nos agradam.

– Não é verdade! A verdade acima de tudo!

– Por mais que a gente diga isso, se choca quando uma opinião é contrária ao que a gente pensa sobre nós mesmos…

– Puxa, mas você está misterioso hoje, hein?

– Você quem começou…

– Desculpa, é que hoje eu estou meio neurótica…

– Está não… é.

– Seu imbecil!

– Viu?!

– Tudo isso é culpa sua… se dissesse que eu sou linda ao invés de dizer que eu estava linda, nada disso teria acontecido…

– Claro… culpa minha… na próxima cuidarei mais as dubiedades das minhas frases…

– Você está sendo irônico…

– Não estou sendo, eu sou, mas estou me esforçando para tentar não parecer ser!

– E porque todo esse esforço?

– A moral disso tudo é ser para depois estar…

– Como assim?

– Eu finjo ser alguém que não sou para em seguida estarmos na cama…

Eu amo o Mengão, sou apaixonado pelo Palmeiras, mas gosto mesmo é de foder com o Grêmio....

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: